#

  :: Pagina Inicial
  :: Acesso Email
  :: Histórico
  :: Notícias
  :: Videos YOUTUBE
  :: Contato
  :: CONSULTA DE CEP
  :: CONSULTA DE CNH
  :: CONSULTA DE CPF
  :: DETRAN IPVA / MULTAS
  :: HORÓSCOPO
  :: LOTERIAS
 
CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 21/09/2018

Mitos e verdades sobre depressão e suicídio

 

Os paradigmas envolvendo a depressão e o risco de suicídio são muitos e, por isso, o assunto ganhou um mês de conscientização para ser amplamente discutido pela população, o Setembro Amarelo. Estima-se que cerca de 11,5 milhões de pessoas no Brasil vivam com depressão e que aproximadamente 11 mil tiram a própria vida, por ano. No mundo, o número de suicídios é de 11,4 a cada 100 mil habitantes.

“Muitos acreditam que esse é um ato escolhido pelo cidadão, porém, em quase 100% dos casos, o suicídio está associado a uma doença mental, dado que reforça a importância de observar os sinais apresentados pelas pessoas próximas”, explica José Alberto Del Porto, professor titular do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina.

Apesar dos altos índices, a depressão ainda é uma doença estigmatizada pela população, que, desconhece, por exemplo, que a enfermidade pode apresentar uma forma resistente, quando não responde a pelo menos dois tipos de tratamento. Para esclarecer essas dúvidas, o psiquiatra respondeu uma série de questionamentos sobre o tema, que se configuram em vários mitos e muitas verdades.

O paciente pode melhorar apenas com a força de vontade.

Mito. É possível atingir a remissão dos sintomas da depressão. Para isso, é essencial que a pessoa que apresente o distúrbio procure o apoio de um profissional de saúde para fazer uma avaliação individualizada, começando imediatamente o tratamento, após o diagnóstico.

O tratamento da depressão e para pessoas em risco de suicídio é o mesmo.

Mito. O diagnóstico final da pessoa deprimida e também o risco de suicídio exige uma investigação criteriosa por parte dos profissionais de saúde, para, então, ser definido qual o protocolo ideal em cada caso. O tratamento da depressão pode ser realizado com a utilização de medicamentos, psicoterapia ou a combinação dos dois. Entre os tipos de terapias atuais no mercado estão os antidepressivos, ansiolíticos e antipsicóticos. Especificamente para o suicídio, o lítio possui evidências na prevenção em longo prazo, talvez por atuar sobre o estado de ânimo e reduzir a impulsividade inerente a esses atos.

Entretanto, uma parte dos pacientes com depressão pode não apresentar melhoras após o uso de pelo menos dois desses medicamentos. Nesse caso, passam a ser diagnosticados com depressão maior resistente ou depressão refratária.

A pessoa deprimida sempre se apresenta com evidentes manifestações externas de depressão, como estar cabisbaixa.

Verdade. Apesar de a alteração no humor ser um dos sinais relacionados à doença, não é regra que a pessoa com depressão deva sempre estar triste ou desanimada. Não é incomum encontrar casos de pessoas que cometam suicídio e que tenham uma vida socialmente ativa, por exemplo. Apesar disso, é necessário observar os outros sintomas da doença que são perda de interesse nas atividades cotidianas, fadiga, diminuição do apetite, dificuldade de concentração e mudanças no sono.

O tratamento contínuo tem impacto positivo na qualidade de vida do paciente.

Verdade. A pessoa com depressão possui diversas opções de tratamento e os cuidados adequados como uso de terapias médicas e acompanhamento psicológico permitem a retomada das atividades cotidianas e a remissão completa dos sintomas.

A pessoa que pensa em suicídio não ameaça ou fala sobre o assunto.

Mito. A maioria das pessoas que pensam em suicídio dá sinais de que irá cometê-lo. É errada a crença popular de que “quem fala não faz”. O histórico mostra que grande parte dessas pessoas alertou sobre essa intenção dias ou semanas antes do ato. Alguns sinais devem ser observados: cansaço excessivo, falta de interesse pelas atividades rotineiras, aumento no consumo de álcool ou drogas, estresse e isolamento social são alguns deles.

A depressão é uma das principais causas de suicídio.

Verdade. Os transtornos do humor (depressão ou transtorno bipolar) são responsáveis por aproximadamente 36% dos casos de suicídio. Além disso, os pacientes com a doença apresentam cinco vezes mais chances de cometer o ato. Além disso, existem diversos outros fatores de risco para o suicídio, entre eles: tentativas prévias de cometê-lo, histórico familiar e genética, impulsividade, desesperança e sentimento de desamparo, doenças clínicas não psiquiátricas (doenças graves e sem cura, por exemplo), eventos adversos na infância e na adolescência (como maus-tratos e abusos sexuais) e poucos vínculos sociais. (Fonte: saude6@littlegeorge.com.br)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 20/09/2018

Suicídios aumentam 2,3% em 1 ano

 

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016 – em média, um caso a cada 46 minutos. O número representa um crescimento de 2,3% em relação ao ano anterior, quando 11.178 pessoas tiraram a própria vida.

Os dados são do Ministério da Saúde.

A diretora da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, no entanto, estima que o numero seja maior. Em entrevista coletiva, ela citou "um subdiagnóstico de 20%".

O suicídio é, hoje, a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil. Entre os homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo mais comum; entre as mulheres, o oitavo.

 

As vítimas

 

A maior taxa de mortes por suicídio a cada 100 mil habitantes é entre indígenas – 15,2 casos por 100 mil. Entre os homens, o número chega a 23,1; entre as mulheres, a 7,7.

De acordo com o Ministério da Saúde, 44,8% dos suicídios indígenas em 2016 ocorreram na faixa etária de 10 a 19 anos.

"Não é só no Brasil, isso [alto suicídio indígena] também ocorre nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia. Você tem várias causas e vários determinantes que são muito mais complexos do que o da população não indígena", afirmou Fátima.

A taxa de suicídio a cada 100 mil habitantes chegou a 9,2 entre os homens, um aumento de 28% em uma década. Entre as mulheres, a taxa é de 2,4. (Fonte: Portal G1)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 19/09/2018

¼ dos municípios brasileiros não tem política ou plano de gestão do saneamento básico, aponta IBGE

 

Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que ¼ dos municípios brasileiros não possuem nem estão desenvolvendo uma política pública e/ou plano estruturado para gestão dos sistemas de saneamento básico. No entanto, tem aumentado progressivamente a implantação destes instrumentos municipais determinados por lei federal.

De acordo com o levantamento, dos 5.570 municípios brasileiros, 2.126 (38,2%) tinham definida uma política municipal de saneamento básico – um aumento de 35,4% em relação a 2011. Já 2.313 municípios possuíam um plano de gestão em 2017, 280% a mais que em 2011, quando apenas 609 municípios o haviam estruturado. (Fonte: Portal G1)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 19/09/2018

Brasil tem casos recentes de rompimento de airbags da Takata, apesar de recalls terem começado em 2013

 

O Brasil teve casos recentes de rompimento de airbags da Takata, apesar de os recalls dos chamados "airbags mortais" terem começado no país há 5 anos, em 2013.

A ocorrência mais recente informada ao Ministério da Justiça foi de janeiro deste ano, em um carro da Honda.

Além deste, o governo foi informado de que casos têm sido registrados por montadoras desde 2011, antes de o escândalo vir à tona, até 2017. Os recalls no país foram aumentando de 2013 para cá, envolvendo mais de 2 milhões de unidades do equipamento.

Até agora se sabe de 29 casos de rompimento do airbag no Brasil, com feridos em 11 deles e nenhuma morte. 

No exterior, o defeito é ligado a ao menos 22 mortes.

 

O que se sabe

 

Na quinta-feira passada (13), a Honda informou ter contabilizado 28 casos, com feridos em 11.

Na última segunda (17), a Toyota confirmou 1 caso, sem feridos.

As duas marcas respondem pela maioria dos veículos convocados para recalls dos airbags da Takata no Brasil.

Das demais marcas envolvidas nesses chamados no país, todas as 13 disseram que não registraram nenhum caso de rompimento: Audi, BMW, Chevrolet, FCA (dona das fabricantes Fiat, Chrysler, Jeep e RAM), Ford, Lexus (que pertence à Toyota), Mitsubishi, Nissan, Subaru e Volkswagen. (Fonte: Portal G1)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 17/09/2018

Brasil, terceira maior população carcerária, aprisiona cada vez mais

 

Estudo divulgado pela Pastoral Carcerária mostra que o Brasil possui mais de 725 mil pessoas presas, ficando atrás apenas da China (1,6 milhão) e dos EUA (2,1 milhão) em população carcerária. As prisões do país têm uma taxa de ocupação de 200% – ou seja, elas têm capacidade para receber somente a metade do número de presos. (Fonte: site da revista Carta Capital)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 12/09/2018

Brasil tem 1,6 mil casos confirmados de sarampo

 

Ministério da Saúde atualizou o número de casos confirmados de sarampo no Brasil. São 1.673 infecções registradas até esta quarta-feira (12), sendo que 7.812 ainda estão sob investigação dos órgãos de saúde. O país enfrenta dois surtos da doença nos estados do Amazonas e Roraima.

Oito pessoas morreram de sarampo no Brasil neste ano – 4 em Roraima e 4 no Amazonas. De acordo com o Ministério da Saúde, os surtos no Norte do país estão relacionados à importação do genótipo do vírus (D8) que está circulando no país e é o mesmo que é encontrado na Venezuela.

 

Para garantir que não ocorram novos surtos pelo país, o Ministério da Saúde pretende atingir a meta de imunizar 95% das crianças. Até esta quarta-feira, 94% delas já haviam recebido uma dose. A campanha continua até a sexta-feira (14). (Fonte: Portal G1)

 

Pinhal

 

Até o momento, Pinhal vacinou mais de 84% do público-alvo. Em relação às crianças menores de cinco anos, faltam ainda em torno de 200 para serem vacinadas, segundo a Vigilância Epidemiológica.

O município não registra até agora nenhum caso da doença.


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 12/09/2018

Estão abertas as inscrições para o curso de Logística do PEQ

 

As inscrições para o curso de Logística do PEQ (Programa Estadual de Qualificação Profissional), período noturno, podem ser feitas no Sindicato dos Metalúrgicos e no Sindicato dos Servidores Públicos Municipais. As vagas são limitadas.


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 10/09/2018

Inscrição e contribuição são necessárias para ter direito a benefícios previdenciários

 

Para ter direito aos benefícios da Previdência Social, o cidadão deve se inscrever no Regime Geral da Previdência Social (RGPS) e contribuir mensalmente.

Ao se inscrever, o contribuinte recebe seu Número de Inscrição do Trabalhador (NIT). Quem já possui número de PIS, PASEP ou NIS, não precisa fazer inscrição, bastando usar esse número junto à Previdência Social.

Quem pode se inscrever  Todo trabalhador com carteira assinada é automaticamente filiado à Previdência Social e suas contribuições já são descontadas em seu contracheque. Quem trabalha por conta própria precisa se inscrever no RGPS e é de sua responsabilidade a contribuição mensal ao INSS. São segurados da Previdência Social os empregados, os empregados domésticos, os trabalhadores avulsos, os contribuintes individuais e os trabalhadores rurais. Até mesmo quem não tem renda própria, como as donas de casa e os estudantes, pode se inscrever na Previdência Social, na categoria de facultativos. Para se filiar é preciso ter mais de 16 anos.

O usuário pode se inscrever através da Central Telefônica 135, que funciona de segunda sábado, de 7h às 22h, ou no site do INSS (www.inss.gov.br).  (Fonte: INSS)


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 6/09/2018

Saque das cotas do PIS para menores de 60 anos termina em 28 de setembro

 

Termina em 28 de setembro o prazo para que cotistas do PIS com idade inferior a 60 anos possam retirar seu benefício. Os trabalhadores cadastrados no PIS entre 1971 e 4 de outubro de 1988 podem resgatar o PIS, independentemente da idade. Aproximadamente 11,8 milhões de brasileiros ainda não realizaram o saque das cotas a que têm direito. O valor total disponível ultrapassa R$ 20,2 bilhões.

Até o final do mês de agosto, 8,3 milhões de cotistas sacaram o benefício, somando R$ 7,8 bilhões em pagamentos. Deste total, 7,6 milhões de cotistas têm idade inferior a 60 anos e aproveitaram a janela temporal de disponibilidade para sacar aproximadamente R$ 6,7 bilhões. Cerca de 4,4 milhões clientes da CAIXA receberam o valor por depósito automático em 8 de agosto.

Para saber se tem direito, o trabalhador pode consultar o site www.caixa.gov.br/cotaspis, informando o CPF ou NIS e a data de nascimento e o valor que tem a receber, mediante a informação da senha internet. Para realizar o saque, o trabalhador deverá apresentar documento oficial de identificação com foto.

Herdeiros:

Os beneficiários legais, na condição de herdeiros, poderão comparecer a qualquer agência da CAIXA portando o documento oficial de identificação e o documento que comprove sua condição de herdeiro para realizar o saque.

Deverão ser apresentados o documento de identificação pessoal válido do sacador, o comprovante de inscrição PIS (opcional - caso os dados apresentados não permitam a identificação da conta PIS), e o documento que comprove a relação de vínculo com o titular, dentre os seguintes:

 

  • certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS;
  • atestado fornecido pela entidade empregadora (no caso de servidor público);
  • alvará judicial designando o sucessor/representante legal;
  • formal de partilha/escritura pública de inventário e partilha. (Fonte: CEF)

 

 


CLIQUES: 0 - DATA CADASTRO: 5/09/2018

Mitos sobre a obesidade infantil

 

 

O Brasil é um país que enfrenta forte crescimento de doenças associadas à obesidade. Segundo estudo publicado pela revista científica The Lancet em 2017, o número de crianças e adolescentes de 5 a 19 anos obesos em todo o mundo aumentou dez vezes nas últimas quatro décadas.

Pediatras selecionaram alguns mitos quando o assunto é obesidade para explicá-los. Confira:

“Sou obeso e por uma questão genética meu filho também será”

Quando um dos pais é obeso, a criança pode ter um risco 15% maior de ser obesa. Quando o pai e a mãe são obesos esse risco pode aumentar para 30%.

A obesidade por fatores genéticos existe, mas corresponde a menos de 10% dos casos. Em geral a obesidade infantil acontece porque os hábitos de vida da família são favoráveis para o ganho de peso das crianças. Acontece pouca prática de atividades físicas, horários irregulares para as refeições, consumo exagerado de alimentos processados/ultraprocessados ricos em gorduras e açúcares. Se os adultos têm hábitos que levam ao ganho de peso, as crianças também terão, mas isso não é genético, é comportamental.  

O fundamental é que as pessoas ensinem seus filhos a terem uma alimentação balanceada e saudável e a sempre praticarem exercícios físicos. Para isso, também é recomendável manter a regularidade de visitas aos médicos para avaliar a saúde e orientá-los corretamente.

Só não emagrece quem não quer”

“Ninguém ganha peso de um dia para outro” é mais correto. Quando o pediatra identifica que o ganho de peso inadequado está acontecendo, em geral, as mudanças nos hábitos são suficientes para interromper esse processo. É muito difícil perder peso, principalmente com o passar do tempo.

“Criança não pode fazer dieta”

Se comer nos horários corretos, quantidades adequadas, sem excesso de gorduras e açúcares for fazer dieta, então deveríamos todos fazer dieta. O conceito de dieta que temos para adultos, com restrição de calorias e grupos alimentares (low carb, 100 calorias, entre outros) realmente não é o recomendado para crianças.

Quando uma criança está acima do peso ou apresenta problemas de saúde relacionados diretamente com maus hábitos alimentares (alteração de colesterol, por exemplo) é necessário consultar um especialista para entender onde está o erro e como corrigi-lo.

“Uma criança obesa será um adulto com tendência a engordar mais fácil”

Estatisticamente, uma criança obesa tem maior risco de ser um adolescente obeso; um adolescente obeso tem mais chances de ser um adulto obeso; pais obesos têm maior probabilidade de ter filhos obesos.

Quando se identifica o ganho de peso na criança, o tratamento com mudança de hábitos de vida pode ser suficiente para evitar que esse ganho de peso se perpetue até a idade adulta. Não importa a idade, ter hábitos alimentares saudáveis é sempre fundamental.

“Criança não pode comer açúcar até os dois anos”

Essa é uma recomendação das sociedades de pediatria e endocrinologia pediátrica do mundo todo. Não é recomendado oferecer alimentos ultraprocessados nem adicionar açúcar aos alimentos oferecidos às crianças menores de 2 anos de idade. A criança está desenvolvendo o paladar e conhecendo o sabor dos alimentos. A adição de açúcar, na maioria das vezes é desnecessária, portanto deve ser evitada.

“É melhor substituir o refrigerante pelo suco de caixinha”

A orientação atual é não oferecer sucos para as crianças menores de 2 anos, deve-se oferecer a fruta inteira em razão de ser uma melhor fonte de vitaminas e fibras. O líquido de escolha é água!

Se for oferecer suco, a melhor opção é o suco natural da fruta da estação, que não precisa ser adoçado, pois a fruta é naturalmente doce. Atualmente há sucos de caixinha que são 100% suco e sem adição de açúcar ou conservantes. Eles são melhores do que os “sucos de caixinha” do tipo néctar - menos de 30% de suco e adição de açúcar. Refrigerantes devem ser consumidos com moderação e muito esporadicamente, nunca antes dos 2 anos de idade. (Fonte: Doctoralia)



PAGINAS :
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100
101
102
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
116
117
118
119
120
121
122
123
124
125
126
127
128
129
130
131
132
133
134
135
136
137
138
139
140
141
142
143
144
145
146
147
148
149
150
151
152
153
154
155
156
157
158
159
160
161
162
163
164
165
166
167
168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
185
186
187
 
CLIQUE PARA AMPLIAR

DORALICE DE SOUZA HERCULANO
MARIA HELENA GIORDANO RAMPONI
NEIDE MARIA SIMÕES
ANTONIA LONGO ROSSI
ERÉDIO ACÁCIO BELLI
BENEDITO MOREIRA
ALICE BERNARDO PARIZIO
BENEDITO GONÇALVES DA ROCHA
SEBASTIÃO GONÇALVES RIBEIRO
ROSA MARIA CASTELO FOGO

CLIQUE PARA AMPLIAR